Em trajetos ou pela força do hábito, cidades europeias convidam ao encontro e à reflexão

A Ponte Círculo, em Copenhague: obra do artista Olafur Eliasson contra a correria

A Ponte Círculo, em Copenhague: obra do artista Olafur Eliasson contra a correria

Cidades europeias fazem questão de espalhar lembretes de que pessoas não são máquinas e precisam de alguns minutos para relaxar mesmo nos dias mais corridos. Seguindo essa ideia, o artista islandês-dinamarquês Olafur Eliasson desenhou uma ponte que acaba de ser inaugurada em Copenhague, na Dinamarca.

A Cirkelbroen (ou Ponte Círculo) é composta por cinco plataformas circulares que criam uma passagem em ziguezague. O intuito do percurso é permitir que quem passa  reduza a velocidade, encontre conhecidos e tenha um local para fazer uma pausa da correria. “A introspecção é parte essencial de uma cidade vibrante”, diz Eliasson. Com corrimãos de Guariúba, madeira brasileira importada, a ponte tem 40 metros de extensão e recebe 5 mil pessoas diariamente.

 

Em Paris, a estratégia é outra. Em vez de criar um lugar para relaxar, os parisienses se esforçam para manter a tradição de reservar o domingo para o descanso. Em vez de uma pausa no dia, o hábito garante uma parada obrigatória no ritmo da semana e cria um momento para a reflexão. Lojas e supermercados fecham as portas e há poucas opções de programas culturais. Mesmo as avenidas mais movimentadas se tornam vazias.  Os parisientes aproveitam o domingo para reunir a família, visitar amigos ou caminhar no parque.

O hábito também traz problemas. Entedia os jovens e frustra os turistas, ressentidos por “desperdiçar” um dia fazendo nada em Paris. Claro que o mais difícil é justificar a calmaria do domingo do ponto de vista econômico. Abrir mão de atividades que geram ganho para empresários e comerciantes é um luxo. Não à toa, no mundo todo, o sábado e o domingo se parecem cada vez mais.

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment


Trackbacks